Entrevista #02: Aparecida de Jesus Ferreira

Aparecida de Jesus Ferreira autora d’As bonecas negras de Lara | Foto: Ana Istschuk

Essa entrevista é com a escritora ponta-grossense Aparecida de Jesus Ferreira, autora de “As bonecas negras de Lara” e mais nove outros livros no Brasil e um nos Estados Unidos. A autora nos conta como foi se descobrir escritora, representatividade, seu livro infantil e a importância de encontrar livros representativos na infância, entre outros assuntos.

Trajetória com a escrita

Como foi o processo para você se descobrir escritora?

Eu acho que o processo começou por conta das próprias pesquisas que eu faço e eu acho que pela questão de querer mostrar um pouco de como trabalhar com um tema que se relaciona com a questão da diversidade étnico-racial. Eu quis começar a escrever para contar um pouco, para as pessoas terem um contato com relação ao que tem sido trabalhado, ao que tem sido dito, quais pesquisas têm sido feitas com relação a isso. Essas foram escritas um pouco mais acadêmicas e por conta dessas pesquisas acadêmicas eu também quis dialogar com o jovem, adolescente, adulto e criança, que é uma outra modalidade. Que fosse uma coisa de criar mesmo a necessidade das pessoas se colocarem no lugar do outro, de se aproximar do que o outro tem experienciado. Foi assim que eu acho que comecei a pensar nessa escrita um pouco mais livre, porque escrita acadêmica eu já fazia por conta da minha própria profissão, eu fiz um curso de letras, então tem toda essa questão de já escrever.
Eu sempre gostei muito de ler, eu acho que a leitura é o que me abriu janelas e portas, abriu várias possibilidades. Foi através da leitura que eu descobri, por exemplo, que eu gosto de escrever, foi através da leitura que eu descobri que eu gosto de viajar, foi através da leitura que eu descobri que eu podia sonhar alto, estudar, fazer cursos fora. E por conta da leitura e das vivências de ler um pouco dos trabalhos das outras pessoas foi que eu comecei a me desafiar. “Por que não escrever? Por que não mostrar um pouco dessa experiência que eu tenho visto que pudessem impactar as pessoas de outras formas?” Foi assim que surgiram esses livros que são mais acessíveis às pessoas que não estão dentro da universidade.
O livro “As bonecas negras de Lara” é um livro que fala bastante sobre a questão de diversidade, fala da questão de pertencimento, da identidade racial, gênero e de classe. Acho que essa é a função. O livro fala sobre ancestralidade e língua. Foi o acesso do livro. Concomitante a esse livro que vieram os outros de narrativas de letramento racial. É colocar mesmo as pessoas com a experiência dos outros. Eu fiz várias narrativas minhas, eu escrevi um livro meu, somente meu, com as minhas narrativas. E outros com narrativas de outras pessoas que contam um pouco dessas experiências para que as pessoas pudessem sentir um pouco

Representatividade e mercado editorial

Como você vê no mercado hoje a questão da representatividade negra no mercado? Hoje para um escritor ou uma escritora negra se lançar no mercado é diferente de quando você começou sua carreira?

A gente consegue ver uma diferença enorme. Se nós formos ver hoje na Academia Brasileira de Letras, quem são os autores negros e negras que estão na Academia? Afinal nós [negros e negras] somos 54% da população brasileira. Há uma dificuldade desse reconhecimento da sociedade e de fazer com que esses autores estejam presentes nas feiras de livros. A gente tem tido, claro, a Conceição Evaristo, a Djamila Ribeiro, que tem tido um pouco de evidência. Certamente a evidência dessas autoras foi possibilitada pelas redes sociais. As duas autoras que eu mencionei elas tem uma imensidão de seguidores e hoje a gente tem toda uma população negra de mulheres e homens que também estão muito ativos nas redes sociais.
A gente tem várias blogueiras que também fazem o trabalho de chamarem um pouco dessa reflexão da negritude. O que é ser negro na sociedade brasileira. Eu acho que a população negra está fazendo com que essa visibilidade se torne um pouco mais evidente. A gente percebe que a população negra tá aprendendo a se fortalecer entre si. É claro que temos parceiros brancos e brancas, mas a gente precisaria de muito mais para que os autores e autoras negros pudessem ter mais evidência. isso vai em todos os segmentos, desde escritores de telenovelas, diretores de filmes que podem estar representando livros, por exemplo.
Se formos pensar nos Estados Unidos, em que 13% da população é negra, a gente vê muito mais evidência dessa população negra estadunidense em todas as mídias. Como escritores, produtores de filme, produtores de documentários. A gente vê uma evidência muito maior do que vemos no Brasil. Então há uma lacuna muito grande, a gente está indo num crescendo, mas a gente precisa de muito mais.

Obra(s) e recepção do público

O livro “As bonecas negras de Lara” é direcionado ao público infantil. Qual o impacto que as autoras negras tem com crianças negras? E que impacto as autoras negras tiveram em você quando você era criança?

No meu caso, infelizmente quando eu era criança eu não tive essa oportunidade que crianças tem hoje com “As bonecas negras de Lara” ou com outros tipos de literatura infantil que tem essa temática. Há um contingente grande hoje, embora não com tanta visibilidade quanto os demais livros. Os autores negros e negras tem um pouco mais de dificuldade de conseguir fazer seus livros serem publicados pelas editoras. Isso impede também que os livros cheguem nas escolas e nas mãos dos alunos também, mas eu acho que um livro como esse tem um impacto fantástico.
Eu tenho amostra, não só das minhas experiências familiares com a minha sobrinha (o livro foi feito para a minha sobrinha Lara), mas o impacto que teve e que tem tido para outras crianças também. No Facebook tem um grupo aberto que se chama “Livro – As bonecas negras de Lara” com uma imensidão de professores, de quase todo o Brasil, que tiveram acesso ao livro e tem me enviado. E eu coloco lá como amostra.
As pessoas fazendo trabalho com as abayomi, de ter na escola uma caixa de livros só com literatura de representatividade negra além de outros. A gente observa o impacto que tem numa criança. Inclusive soltar o cabelo. Tem o relato de uma professora que fez o trabalho com uma menina negra que não soltava o cabelo, ela passou além de soltar o cabelo a fazer tranças, deixar o cabelo solto. Houve uma revolução na própria menina e isso faz com que a menina se poste diferente, goste de si, queira falar mais na frente dos colegas. Isso dá um impacto na vida da pessoa substancialmente. A pessoa vê que pode ser representada. Que ela tem um lugar, ela pode estar em todos os lugares, ela pode se apresentar, apresentar um trabalho com orgulho de estar naquele lugar sem se sentir que ela não pode estar ocupando aquele lugar. Os livros trazem essa questão da representatividade, do orgulho, da autoestima elevada. E uma vez trabalhada essas questões as crianças acabam impactando as outras crianças que estão ao redor dela. É uma das grandes vantagens do livro, as crianças já tem um pouco mais de acesso, a gente percebe que as bibliotecas das escolas já tem um contingente de material um pouco maior do que tinha há 20 ou 30 anos, por conta do próprio apelo que tem sido feito. A gente observa que isso está em um crescendo, embora ainda não seja dentro do formato que a gente precisa.
A gente precisa de muito mais, mas acho que já temos um contingente importante hoje de meninos e meninas, mulheres negras e negros e pessoas brancas que estão engajadas e se sentido responsabilizadas pela questão sabendo que é a partir de nós que essa questão vai se tornar pública.

Como você, escritora, se sente quando recebe o relato por exemplo de uma menina que começou a soltar o cabelo?

Fantástico, nem eu sabia e nem eu pensei nisso quando eu escrevi o livro. Porque eu escrevi para a minha afilhada e sobrinha. Eu não pensei que teria esse impacto que está tendo o livro. A minha alegria de estar com as crianças apreciando. Quando você escuta uma criança dizendo o quanto ela gostou do livro, da história, isso criança brancas e negras, você percebe que elas entenderam o que está por trás do material. A questão do acolhimento a diversidade, de se relacionar com as pessoas independente do seu pertencimento étnico-racial, da sua identidade racial.
A força delas fará com que as coisas se modifiquem, porque as crianças levam essas coisas para dentro das casas. Elas mudam a percepção dos pais, responsáveis, dos familiares porque elas passam a questionar. É uma criança que se torna empoderada e a partir de que você cria essa tendência de reflexão e criticidade nessa criança não tem como você tirar mais, ou seja, essa criança só vai florescer e a partir daí trazer reflexões para outras pessoas. Fica questionador e quando a gente aprende a ser questionador nunca mais para.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.