Indicação #08: Cinco livros de autores ponta-grossenses por Lucas Walker

Setembro é o mês de aniversário de Ponta Grossa, cidade onde montamos nosso ninho. A indicação do mês é do poeta ponta-grossense Lucas Walker para conhecermos escritores da princesa dos campos e – olha que legal – já resenhamos alguns dos livros indicados e também tem vários deles na nossa Biblioteca! O escritor convidado já publicou 4 livros de poesia e seu último livro, “Entre o batimento e o estilhaço“, foi lançado esse mês. Apoie a produção literária da tua cidade! Compre e leia livro de escritores da tua cidade!

Forte apacheRamon Ronchi

Livro de estreia do escritor, reúne poemas com temática doméstica, infantil, violenta, política, crítica, sem faltar poesia sobre escrever poemas, sobre ser poeta, sobre poesia. Um forte livro de poemas não necessariamente biográficos, mas reais.

Por extensoKleber Bordinhão

É o primeiro livro de crônicas do escritor que já lançou 5 livros de poesia. Seus textos lançam luz a situações que facilmente escapariam dos olhos de um transeunte desatento, mas que foram captados e registrados pelo escritor e poeta (e cronista).

Saudade – Melissa Garavelo e Phellip Willian

A HQ mais querida do coração dos ponta-grossenses, finalista do Prêmio Jabuti de 2019, foi produzida pelo casal jovem pronto para a produção literária: o roteirista e a ilustradora. A história é emocionante, bonita e vai ficar com os leitores pro resto de suas vidas.

Até a alma ficar nua – Tanise R. Sutil

A poesia da autora trata das relações entre os corpos em seu sentido físico e emocional de uma perspectiva de mulher. O livro é produzido manualmente – olha que carinho! – pela Olaria Cartonera e será resenhado este mês por uma das passarinhas.

Marina Brum Rosa

Marina Brun Rosa é escritora pontagrossense. No perfil @marinabrunrosa ela expões seus trabalhos de forma escrita e audiovisual. Em suas próprias palavras ela “escreve para que alguém se encontre em textos escritos sem grandes pretensões, apenas para aliviar a alma de quem escreve.”

Indicação #07: Cinco livros de autoras lésbicas por Gabriela Soutello

A indicação de agosto – mês da visibilidade lésbica – é da nossa convidada Gabriela Soutello. Artista, escritora e jornalista, publicou “Ninguém vai lembrar de mim” em 2019, vencedor do I Prêmio Mix Literário (o livro dela já foi resenhado aqui no site e comentado na segunda edição da série “Desatravancando voos – migração literária” da Pássaro Liberto).

“Eu não sei se existe uma literatura lésbica. Existe uma literatura hétero? Acho que definir minha literatura, que ainda está tateando suas possibilidades, é limitá-la. Gosto de pensar que está em trânsito, e que tem todas as vertentes possíveis de caminho & expansão. Mas, sim, sou lésbica, ao menos até hoje, até agora, três da tarde. Minha literatura é literatura escrita por uma mulher cis lésbica, e certamente carrega absorções, vivências e percepções decorrentes disso. Acho importante, inclusive, falarmos sobre personagens lésbicas: termos espaço, termos histórias sendo contadas, reescritas, recriadas e lidas. Mas, mesmo entre lésbicas, há inúmeros recortes. Não somos todas iguais. Por isso a importâncias de estarmos em histórias, tantas de nós. Gosto de me ver como uma facilitadora disso; como alguém que buscou e busca tanto referências que se sente, hoje, capaz de também criá-las. Existir assim, à margem, fora do molde imposto, já é uma neonarrativa da existência.”

– Trecho da entrevista de Gabriela Soutello para o Leia Mulheres

Eu preferia ter perdido um olho – Paloma Franca Amorim

Este livro é uma reunião de textos escritos em primeira pessoa por Paloma Franca Amorim. São contos que foram publicados no jornal paraense OLiberal. A narrativa da autora tem tom de confissão e versa sobre a compreensão da vida e da realidade humana.

O corpo dela e outras farras – Carmen Maria Machado

O livro de contos da autora é considerado um Black Mirror feminista. Os textos ao mesmo tempo mostram questões de violência bruta e de sentimentos rebuscados, mapeando realidades de vidas de mulheres e da violência a que seus corpos são submetidos.

Um exu em Nova York – Cidinha da Silva

Os contos de Cidinha da Silva neste livro mostram um cotidiano ficcional que aborda muitas questões atuais da contemporaneidade, como política, crise ética, racismo religioso, perda de direitos em especial das mulheres, negros e grupos LGBT.

Néctar 44 – Aline Miranda

Primeiro livro de poesias da autora, versa sobre mulheres, as muitas mulheres que a autora nos apresenta. Aline Miranda tem vasta produção em mídias online, zines e publicações independentes realizadas em sua máquina de escrever.

Todos os meus humores – Dia Nobre

Esse livro de poesias traz a discussão sobre saúde mental, em especial sobre a saúde mental para mulheres, que historicamente foram vítimas dos abusos dos manicômios e sanatórios, que foram (e são) carimbadas como histéricas por não se adequarem aos limites da misoginia, por falarem em voz firme e alta contra ela.

Indicação #06: Cinco livros para refletir e explorar as diferenças por Bruna Barreto

Nossa convidada de julho para indicar livros que PRECISAMOS ler é a Bruna Barreto. Mulher de 23 anos, preta, lésbica e poeta, sempre utilizou da escrita como forma principal de expressão. Quando criança escrevia para fugir da realidade e expressar os sentimentos, hoje entende como enfrentamento, fazendo da palavra um instrumento de representatividade. Nasceu na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, reside em Florianópolis há cinco anos. Em 2017, pela primeira vez, teve a oportunidade de declamar um poema em público, no evento “Fazendo Gênero/Mundo de Mulheres”. Atualmente, divide o tempo entre a graduação em Animação na UFSC e a poesia, sempre pautando questões étnico-raciais e de gênero.

Conheça a lista dela:

No seu pescoço – Chimamanda Ngozi Adichie

Este livro reúne 12 contos da já consagrada autora romancista e ensaísta, sobre a imigração, a desigualdade racial, os conflitos religiosos e as relações familiares. Lançado em 2009, a obra provoca no leitor uma experiência de empatia num texto de experimentações narrativas.

Nascido do crime – Trevor Noah

Com caráter biográfico, o livro conta a história da infância e juventude do autor, um comediante de grande reconhecimento. A narrativa é ambientada no final do apartheid e nos dias de liberdade que se sucederam.

Herdeira do mar – Mary Lynn Bracht

A desconhecida história de mulheres coreanas durante a Segunda Guerra Mundial é o tema deste livro. Um romance sobre duas irmãs, rico em detalhes históricos e em emoção.

Querem nos calar – Mel Duarte (org.)

Esta antologia, organizada pela Mel Duarte, reúnem poemas de 15 mulheres slammers de todo o Brasil. São poemas fortes para serem lidos em voz alta!

Meu crespo é de rainha – Bell Hooks

Publicado originalmente em 1999, este livro de poema rimado apresenta às meninas negras diferentes penteados e cortes de cabelo de forma positiva e elogiosa. É um livro que enaltece a beleza dos fenótipos negros, exaltando penteados e texturas afro, servindo de referência e representatividade.

Indicação #05: Cinco livros crônicos por Kleber Bordinhão

No mês de junho convidamos Kleber Bordinhão, escritor (poeta é escritor?) ponta-grossense (não tô dizendo que é local, viu?! – o Kleber não gosta), indicando literaturas crônicas, melhor dizendo, cinco títulos de crônicas para se ler. Segue a listinha:

[nós, passarinhas, explicamos que esse textinho é uma brincadeira com o autor]

Meio intelectual, meio de esquerda – Antônio Prata

Este livro reúne quase 80 crônicas do autor, a maioria publicada entre 2004 e 2010 em jornais e revistas. São textos divertidos, poéticos e cheios de revelações sobre a vida nos grandes centros urbanos.

Ai de ti! Copacabana – Rubem Braga

O título junta crônicas, de 1955 a 1960, selecionadas pelo autor, que mostram o amor à vida simples, de quem é humilde e/ou de quem sofre. O livro é carregado de assuntos do dia-a-dia, da infância, da mocidade e dos primeiros amores.

O Louco de Palestra e outras crônicas urbanas – Vanessa Barbara

É um livro com pitadas de humor, delicadeza, escárnio, que tem como cenário o bairro paulistano Mandaqui. A escrita de Barbara mistura comentário cultural, reportagem e antropologia. O título do livro faz referência à uma crônica muito famosa da autora, que versa sobre um tipo de indivíduo que sempre existiu: o “louco de palestra”, aquele que meio abilolado comenta em conferências e debates.

Impurezas Amorosas – Miguel Sanches Neto

Neste livro, Miguel Sanches Neto, escritor paranaense, apresenta crônicas em que há protagonismo do tempo: são histórias que falam do menino no homem e do homem-menino, mostrando um sujeito que carrega consigo todas as idades.

A descoberta do Mundo – Clarice Lispector

“A descoberta do mundo” reúne textos que Lispector publicava colunas no Jornal do Brasil em 1984. São textos em vários formatos, que tratam de acontecimentos recentes e do cotidianos, reflexões sobre a existência, sobre sua família e suas angústias.

Indicação #04: Cinco livros para despertar a mulher selvagem por MUM

No mês de maio temos a nossa convidada MUM – cantora, compositora, escritora e a mais nova membra da Pássaro Liberto – indicando literaturas para acordar a mulher selvagem que há dentro de todas as mulheres. Confira a listinha abaixo:

Mulheres que correm com os lobos – Dra. Clarissa Pinkola Estes

Através da interpretação de 19 lendas e histórias antigas, entre elas as de Barba-Azul, Patinho Feio, Sapatinhos Vermelhos e La Llorona, a autora procura identificar o arquétipo da Mulher Selvagem ou a essência da alma feminina, sua psique instintiva mais profunda. E propõe o resgate dese passado longínquo, como forma de atingir a verdadeira libertação.

Tudo nela brilha e queima – Ryane Leão

Livro de poesias sobre amor,desapego, rotina, as cidades que nos atravessam, os socos no estômago que a vida dá, o coração desenfreado, a pulsação que guia as estradas, os recomeços, os dias, as noites, as madrugadas, os fins, os jeitos que a gente dá, as transições,os discos, os tropeços, as partidas, as contrapartidas, os pés firmes que insistem em voar, e tudo isso que é maluco e lindo e nos faz ser quem somos.

Uma Duas – Eliane Brum

Livro de sobre como é tecida a trama de ódio e afeto entre duas mulheres (des)unidas pela carne. Uma duas é um retrato expressionista tão dramático quanto nauseante que foge de clichês e eufemismos que costumam cercar o tema.

O mito da beleza – Naomi Wolf

Livro da jornalista Naomi Wolf que afirma que o culto à beleza e à juventude da mulher é estimulado pelo patriarcado e atua como mecanismo de controle social para evitar que sejam cumpridos os ideais feministas de emancipação.

Lua Vermelha – Miranda Gray

Em Lua Vermelha, Miranda Gray resgata a sabedoria do sagrado feminino para mostrar às mulheres modernas como elas podem voltar a aceitar a sua natureza cíclica e se reconciliar com todos os aspectos da feminilidade.